Usei o lubrificante a base de cannabis

Olá, meninas! Diferente das colunas das semanas anteriores, nessa eu trago um relato de uma experiência incrível – e muito polêmico. Depois de ler muito sobre o assunto, eu testei o lubrificante a base de cannabis, mais conhecido como lubrificante de maconha. Ficou curiosa? Pois é, eu também estava. Desde o fim do ano passado que li sobre o tema em portais como Terra e Uol, com chamadas que prometiam orgasmos de mais de 10 minutos. Como uma bela ariana com ascendência em touro e lua em sagitário, depois de ler e reler todas essas matérias, resolvi procurar mais sobre. Esse tipo de lubrificante despertou bastante interesse com o lançamento da marca Foria, vendido somente nos Estados Unidos. Encontrei mocinhas em fóruns de sexualidade que fizeram suas versões caseiras e agora vendem. Importante ressaltar que, atualmente, não existe nenhuma regulamentação junto a ANVISA sobre a venda ou a revenda desse produto no mercado brasileiro. Porém.. Como eu disse ali em cima, tem muita menina usando. Sobre o lubrificante De todos os produtos que pesquisei, identifiquei algo em comum: presença do óleo de coco e o THC. Não faz ideia do que é isso? Eu te explico: o THC (tetra-hidrocarbinol) é o principal componente da planta da maconha, sendo responsável por seus efeitos alucinógenos, relaxamento e novas percepções sensoriais. Atualmente, são três empresas que fabricam esse lubrificante: Foria Pleasure: É um óleo essencial produzido com óleo de coco e de cannabis. O produto foi especialmente criado para mulheres e testado cientificamente. O óleo produz relaxamento  e aumenta o fluxo sanguíneo, criando uma espécie de “terapia afrodisíaca”. Bond Sensual Oil: Demora entre 20 e 40 minutos para fazer efeito, que pode ser potencializado com o sexo. O site da marca conta com testemunhos de homens e mulheres que usaram e aprovaram. Blossom Organics: Uma das primeiras companhias a trabalhar a cannabis para a fabricação de lubrificantes, essa marca de produz três diferentes tipos de óleos afrodisíacos, que levam ingredientes como cannabis e stevia, uma planta que também serve como adoçante (aquela que a Coca-Cola adicionou recentemente em sua fórmula). Os sites especializados em produtos canábicos divergem quanto às aplicações e resultados obtidos com o uso dos lubrifcantes. Enquanto alguns alegam que os lubrificantes à base de cannabis não são lubrificantes de fato, mas sim óleos essenciais semelhantes aos usados em massagens, outros dizem que o óleo de cannabis tem ajudado as mulheres durante o sexo, pelos efeitos de sensibilidade, relaxamento e torpor produzidos pelos óleos. Minha experiência Após adquirir o produto, fui orientada a dar pequenas borrifadas na vagina entre 20 e 40 minutos antes do ato sexual – e assim fiz. Acordei mais cedo, segui as instruções e dei mamadeira para a minha filha, que ainda estava dormindo. Vinte minutos depois, acordei meu marido. O ato rolou, foi super gostoso, tive mais de um orgasmo seguido e percebi que a intensidade do orgasmo estava maior, assim como a minha lubrificação vaginal. Também notei uma mudança de percepção  sobre o toque no meu corpo; me vi e me senti muito concentrada ali no sexo. Nesse último item, o produto pode ter servido apenas como placebo, já que eu tinha me organizado para sentir e viver a transa sem choros de bebes ou coisas que pudessem quebrar o clima. A experiência foi super valida, ampliou minhas possibilidades e repertórios sexuais. Hoje não há pesquisa cientifica, com testagem em grupos de mulheres que usam lubrificantes a base de cannabis, mas acredito ser uma boa possibilidade em abrir o questionamento sobre a ausência de medicamento que  contribua com a sexualidade feminina. Afinal, há décadas os homens usam e abusam de viagra e outros, enquanto a gente fica de mãos vazias. Alô, comunidade científica! A gente transa, gosta de transar e sentir prazer. Foca na gente! Se vocês quiserem fazer pergutnas sobre esse experiência ou outros assuntos, é só comentar ou enviar para erika@quenemmocinha.com Você também pode gostar de…Sexo anal não é esse bicho de sete cabeçasDupla penetração não precisa doer e pode ser muito bom!Vamos falar sobre anorgasmia?Só consigo gozar sozinha, e agora? Leia também: