• que nem mocinha - fatos sobre anticoncepcional - capa

    Vilão ou mocinho? Fatos sobre o anticoncepcional

    O anticoncepcional é um dos remédios mais vendidos no mundo e mesmo suas usuárias podem ter dúvidas em relação ao remédio. Não é para menos: já ouvimos várias coisas sobre a pílula, tanto positivas quanto negativas. Chegou a hora de esclarecermos algumas das principais dúvidas sobre o anticoncepcional! 

  • Seis meses sem anticoncepcional

    Olá, mocinhas do meu coração. No tutorial de hoje, eu vou ensi– brincadeira, só não tinha um jeito legal de começar esse post mesmo. Hoje eu vou falar sobre as principais mudanças no meu corpinho depois de bater a marca de seis meses sem tomar a pílula anticoncepcional. Parece muito tempo, mas vou te falar: passou em um piscar de olhos. Não quero servir como exemplo para ninguém, porque cada corpo é diferente e as reações variam de mulher para mulher. Vou só contar minha experiência e, quem sabe, tirar dúvidas de quem está pensando parar com a pílula. 

  • Posso ficar grávida se…

    Oi, mocinhas. Hoje não é Halloween, mas vamos falar de um assunto que aterroriza muitas mulheres: ficar grávida sem querer. E sim, é possível engravidar quando esse não é o seu objetivo: nenhum método contraceptivo é 100% eficaz. A única forma de evitar uma gravidez indesejada é não transar. Toda vez que uma mulher é penetrada, rola o risco dela ficar grávida — os riscos variam de acordo com as precauções tomadas  durante ou depois do ato. Mesmo assim, tem vários mitos de como você pode (ou não) ficar grávida. Separei cinco dos mais comuns para vocês ficarem de olho. 

  • Pílula do dia seguinte: chega de dúvidas!

    Muitas mulheres, depois que transam sem camisinha ou a mesma estoura, correm para a farmácia mais próxima para comprar a pílula do dia seguinte. Mas a maioria não sabe exatamente como ela funciona ou o que ela faz com seu corpo para prevenir a gravidez. Por isso, perguntamos na nossa página do Facebook quais as dúvidas que vocês, nossas lindas leitoras, têm acerca da pílula e as enviamos para uma ginecologista. Se quiser saber mais, só continuar a leitura!

  • Um mês sem a pílula anticoncepcional

    Há um mês, eu decidi parar de tomar a pílula anticoncepcional – o que me rendeu muitos olhares arregalados e frases como “você não tem medo de engravidar?”. Engraçado que, em um mundo com tantos métodos contraceptivos, apenas dois podem ser utilizados ou foram feitos para o homem (a camisinha e a vasectomia) e ninguém os julga caso eles não queiram usar nem um, nem outro. Porém, quando a mulher decide parar de se prevenir (pelo motivo que seja), ela passa ser a única responsável pela gravidez. Além do mais, as pessoas acham que o anticoncepcional só serve para fins contraceptivos. Bem, uma coisa é certa: um mês depois de jogar a cartela…

  • Porque eu parei de tomar a pílula

    Desde que eu me entendo por gente, ou melhor, por mulher, sabia que a sociedade considerava meu dever evitar a gravidez. Essa obrigação está tão enraizada que a maioria dos métodos contraceptivos foram feitos para as mulheres – além da camisinha, a única alternativa masculina é a vasectomia. Por isso, quando decidi ter uma vida sexual ativa, logo corri para o ginecologista para começar a tomar a tão famosa pílula. Cinco anos depois, resolvi que estava na hora de parar.

  • Contracepção: Métodos hormonais

    Muitas pessoas acham que o único modo de prevenir a gravidez é usar a camisinha e/ou a pílula. Existem muitos outros, e é fundamental conhecê-los e conversar com seu ginecologista para saber qual é o melhor para você. Além dos métodos de barreira, existe os hormonais. Como o próprio nome já diz, eles utilizam a combinação dos hormônios sexuais (como estrogênio e progesterona) para inibir a ovulação e evitar a gravidez. Lembrando que nenhum método é 100% eficaz e somente a camisinha impede a transmissão de DSTs. Com isso em mente, chegou a hora de conhecer os métodos hormonais.