Só consigo gozar sozinha, e agora?

Oi, meninas, tudo bem? Nessa semana vamos falar de algo que acontece com muitas mulheres: Dificuldade em alcançar o orgasmo com o parceiro ou parceira. É realmente muito frustrante, porque mesmo que a mulher esteja sentindo prazer, na hora H, não consegue gozar. Vamos falar de alguns fatores que podem estar te impedindo de chegar “lá” e dicas para melhorar esse cenário.

De acordo com  a pesquisa realizada  em 2013 pelo Projeto Sexualidade (Prosex), da Universidade de São Paulo, 34,6% das brasileiras sofrem com a falta de desejo sexual e 29,3% delas têm vida sexual sem orgasmo. Além disso, 92% das mulheres não costumam se masturbar. A primeira dúvida que paira na cabeça de muitas meninas é se aquilo que elas estão sentindo é mesmo um orgasmo.

Tanto a excitação como o próprio orgasmo causam efeitos no corpo da mulher: na excitação observa-se uma rigidez dos mamilos, lubrificação vaginal, aumento da temperatura corpórea; no orgasmo os mamilos mantem-se rígidos, o corpo está mais quente, a lubrificação se intensifica acompanhando algumas contrações na região da pelve (algumas mulheres sentem de forma mais intensa, outras nem tanto). Quando sentir, você saberá. São poucos segundos de intenso prazer que proporcionam, posteriormente, sensação de bem estar físico e relaxamento do corpo. Sabe aquela sensação de pernas moles, como se você tivesse corrido uma meia maratona?

que-nem-mocinha-só-consigo-gozar-sozinha

Tipo isso.

Se você nunca teve, o blog Que Nem Mocinha relembra algumas dicas para ter o primeiro orgasmo.

Agora, se você sabe o que é um orgasmo, consegue gozar sozinha, mas não com está com outra pessoa, a questão é outra. Afinal, por que muitas meninas que tem uma boa conexão com o próprio corpo (se masturbam), conseguem ter uma boa excitação, uma ótima lubrificação não conseguem gozar no ato sexual? Lembrando que ato sexual é muito mais do que penetração, ok? Envolve sexo oral e até mesmo quando a outra pessoa te masturba.

Vamos apontar alguns obstáculos que impedem chegar ao orgasmo e como combate-los:

Manter o foco nos sentimentos

Você pode até estar interessada no sexo, mais algo na cabeça não deixa focar 100% ali. Isso pode ser motivado por sentimentos relacionados a culpa , ansiedade, preocupações e estresse. O corpo não relaxa e excitação torna-se agonia.

Solução: Mude o cenário. Você precisa estar mais relaxada, então convide o mozão para tomar juntos uma ducha quente, fazer uma massagem ou ver aquele filme hot para dar um tempo e reorganizar os sentimentos e retomar  a ação.

Bela e recatada ou puta?

Muitas mulheres tiveram uma educação sexual controversa e cheia de tabus  sobre como ser e se comportar na cama, ou simplesmente evitar qualquer ato sexual se ainda não for casada. Algumas meninas tendem a se sentir culpada ou envergonhada quando se trata de intimidade e entrega.

Solução: Procure um psicologo/sexólogo e fale sobre seus sentimentos e trabalhar medos e tensões que restringem viver sua sexualidade plenamente.

Fingir prazer

Problemas com a própria imagem e baixa auto-estima ajudam a construir um bloqueio junto ao sexo e ao orgasmo. Muitas mulheres não têm a consciência dessas questões, e por sentir -se pressionadas a gozar e agradar  acabam fingindo o orgasmo.

que nem mocinha - só consigo gozar sozinha

Solução: Seja sincera com você mesmo. Quado se finge o orgasmo, você não está enganando apenas o parceiro ou parceira, você está se enganando também. Fale de modo franca que não conseguiu chegar ao clímax, fale como se sentiu e o que poderia melhorar. É uma forma de reconhecer o próprio corpo e sinalizar aonde e como se sente mais prazer.

Falta de desejo pelo parceiro

Tem que ser sincera consigo mesmo e se perguntar: “Eu já senti tesão por ele/ela?”, “Algo mudou? Por quê?”. É preciso identificar qual disfunção sexual a mulher apresenta: desejo sexual hipoativo (a falta de vontade de fazer sexo) ou anorgasmia (incapacidade de chegar ao orgasmo mesmo com excitação).

Solução: Se for o primeiro caso, talvez seja preciso rever os motivos que a levou a ter um relacionamento amoroso ou os fatores que estão interferindo na atração física. Pode ser até rancor  ou mágoa por algo que aconteceu no passado, mas que ainda não foi resolvido. Um terapeuta sexual pode ajudar nesse processo.

Medo de não conseguir gozar

A expectativa de querer chegar ao orgasmo pode causar o efeito inverso e deixar você ainda mais longe do clímax. Quando a mulher transa preocupada não só com o seu desempenho, mas também com o objetivo de gozar, ela pode deixar de se entregar às sensações prazerosas do encontro sexual.

Solução: Trabalhe a ansiedade através de outras atividades que lhe dê prazer e não se cobre em relação ao ato de gozar. Tente não criar expectativas e viver o momento.

Cansaço ou Fadiga

Por mais que você queira ter relação sexual e orgasmos, o corpo está cansado. Há diversas causas por trás da fadiga, desde a correria do dia a dia até problemas de saúde, como alteração hormonal, hipertensão e fadiga crônica. Mulheres com fadiga podem perder o interesse pelas relações sexuais e iniciá-las apenas para agradar o parceiro, sem conseguir aproveitar o momento e chegar ao orgasmo.

Solução: Descanse! Não se sinta obrigada a transar apenas para agradar o parceiro, seja sincera e permita-se a descansar. Se esse cansaço permanecer e afetar outras áreas da sua vida, procure um médico.

Saúde

Há uma número gigantesco de doenças e problemas de saúde que podem interferir na libido e no orgasmo feminino. Algumas são:

– Infecções vaginais e doenças no colo do útero, que podem gerar desconforto na penetração e dor durante a relação, prejudicando a lubrificação e interferindo no prazer sexual;

– Doenças como diabetes e alterações hormonais, que diminuem o estímulo causado na zona erógena (zona de maior prazer), reduzindo também a sensibilidade da mulher e a condução do estimulo através de nervos que mandam mensagem ao cérebro;

– Doenças psiquiátricas, estresse e ansiedade podem atrapalhar e impedir o orgasmo.

Solução: Converse com o seu médico a respeito.

Medicamentos

Alguns medicamentos inibem a libido, como antidepressivos, diuréticos, medicação para úlcera gástrica, medicação para emagrecer e anticoncepcionais. Os anticoncepcionais inibem a ovulação e, com isso, diminuem o desejo. Já os outros medicamentos atuam no sistema nervoso central, diminuindo o hormônio responsável pelo prazer.

Solução: Converse com seu médico e veja com ele medicamentos alternativos que sejam menos intervencionista.

Ciclo Menstrual

O prazer sexual pode variar de acordo com o seu ciclo. Na semana da menstruação, a sua libido pode ficar maior devido aos altos níveis hormonais, principalmente estrógeno e testosterona . Com o aumento de circulação sanguínea na região da pélvis, o clitóris também fica mais sensível e é mais fácil chegar ao orgasmo. Uma semana após a menstruação, os níveis hormonais continuam altos e o seu corpo começa a se preparar para a ovulação – que ocorre aproximadamente 14 dias após a menstruação. Nesse período, a lubrificação vaginal está maior, favorecendo a penetração e trazendo mais conforto à mulher, que fica mais relaxada para ter orgasmos. No meio do ciclo, ocorre a ovulação e pode ser um período doloroso para a mulher, menos favorável à relação sexual. Já na semana que antecede a menstruação, há queda da libido e TPM, sendo uma fase bem mais difícil de chegar ao orgasmo.

Solução: respeite seu corpo e entenda que como seu organismo responde a tantos estímulos hormonais. É cíclico, é uma fase, logo mais a libido retornará com gás total.

Traumas de violência sexual

Meninas com histórico de abuso necessitam de acompanhamento multidisciplinar (psicologo, ginecologista, terapeuta sexual) para falarem a respeito e entender que  elas não tiveram nenhuma culpa. No ato sexual, ao invés de relaxar e aproveitar a relação sexual, a mulher pode relembrar cenas tristes que aconteceram, interferindo na libido. Como já falamos anteriormente aqui no blog, é possivel retomar atividade sexual depois de um episodio traumático.

Solução: Busque apoio multidisciplinar, o apoio profissional irá minimizar esses traumas e preparar a mulher para uma vida sexual saudável.

Agora, se você não se encaixa em nenhum desses casos e mesmo assim não consegue ter um orgasmo, procurem um especialista. Não hesitem em falar a respeito, não só com um médico, mas também com o mozão de vocês. É importante falar sobre o que sente, entender que corpo e mente estão conectados, e se há algo que afeta consciente ou inconsciente, poderá se manifestar na sexualidade.

5 comments

  1. Sílvia Helena Perez says:

    Maravilhosa!!!!!

    Me vi em todas as situações, e por não conseguir gozar algo estranho parou de ocorrer, o meu tesão sumiu, tenho preguiça de transar,prefiro assistir qualquer coisa no netflix a ter que fazer sexo.
    Vc poderia falar um pouco sobre líbido, ou a inexistencia dela por favor……..

    Obrigada

    • Thayanne Porto
      Thayanne Porto says:

      Oi, Silvia

      Muito obrigada pelo seu comentário! Já passamos essa sugestão para a Erika e em breve vamos falar sobre esse assunto!

Deixe uma resposta