Ressecamento vaginal: viva sem esse desconforto

Vocês sabem o que é secura vaginal? Um quinto das brasileiras não conhece esse tipo de ressecamento. Essa foi a conclusão de uma pesquisa realizada pela Conecta, que ouviu 1.007 mulheres a partir de 16 anos de todo o país. Dessas, 88% apresentou algum nível de desconhecimento da condição e 20% nem sabia o que era. Para conversarmos melhor e entendermos o que é o ressecamento vaginal, conversei com a ginecologista Carolina Cabral. Vem ver o que ela me disse sobre esse assunto!

O que é o ressecamento vaginal?

Vamos começar do começo! É a falta de lubrificação da vagina, que ocorre principalmente no período de climatério (resumidamente, a última “fase” fértil da mulher) e menopausa. Nessas fases da vida, há mudanças hormonais bruscas no corpo da mulher e essa agitação toda provoca a chamada “atrofia urogenital”. Ou seja, o tecido que reveste a parede vaginal fica mais fino, menos elástico e menos lubrificado.

Outros fatores que podem causar esse ressecamento são disfunções ginecológicas e o tratamento para algumas condições, como a quimioterapia no câncer de mama. O psicológico também pode influenciar: quando estamos estressadas, cansadas ou nervosas, nossa libido vai lá para baixo e, como consequência, ficamos “secas”.

Eita… E aí?

E aí, mocinhas, que mesmo se você tiver desejo sexual, a lubrificação pode não rolar durante o sexo. E quando isso acontece, a penetração dói, dói mesmo. Mas a pesquisa apontou que o ressecamento vaginal causa bem mais que dores físicas: entre as mulheres com o quadro, 53% se sentiam irritadas. Já 44% apresentavam insegurança e 33%, autoestima baixa. Ou seja, é algo que influencia não só no sexo, mas nos outros aspectos da vida. Apesar disso, apenas 24% procuram ajuda. Os motivos variam: 40% considerava normal sentir-se ressecada ou que o desconforto não precisava ser tratado.

que nem mocinha - ressecamente vaginal - para para para

PARA! PARA! PARA!

Para tudo! Como assim? Repitam comigo: sexo não é pra ser desconfortável. Se você está se sentindo desconfortável ou acha que algo não está certo, pare na hora! Sexo é para ser bom, gostoso, e não para causar reações negativas. Não tem essa de “não achar importante” – como responderam 25% das entrevistadas – porque sua saúde é importante sim! Muitas vezes achamos que nossa vida sexual não impacta nos outros aspectos, mas não é verdade. O que achamos que é só um desconforto ou mal estar na hora do sexo pode ser algo a mais. Então, se algo não parecer certo, procurem a ajuda de um especialista.

É claro que…

Tem outro aspecto aí muito importante a ser levado em consideração. Muitas mocinhas têm vergonha do seu corpo e, por isso, acabam não se conhecendo melhor. Tem mulheres que passam a vida sem saber o que é o clitóris e para que ele serve, por exemplo. E eu não as culpo: vivemos em uma sociedade que considera pecado o autoconhecimento, principalmente se for da mulher. Fomos criadas para ter vergonhas do nosso corpo, o que resulta em neuras sobre nosso cheiro e que faz meninas cada vez mais novas se submeterem à cirurgias íntimas!

que nem mocinha - ressecamento vaginal

 

Esse ressecamento é natural?

Sim e não. A Carolina explica: “Na fase da perimenopausa e menopausa, isso é natural, pois acontece com a diminuição da produção de estrogênio”. Agora, quando ocorre durante a menacme (período reprodutivo), é mais provável que a causa esteja ligada a questões psicológicas do que hormonais.

Como lidar com esse problema?

Depende do caso, mocinhas. De acordo com a médica, o uso de lubrificantes pode melhorar o quadro. Os géis podem ser usados por qualquer pessoa, que sofre ou não de ressecamento vaginal, “a não ser que haja alergia a algum componente do lubrificante”, alerta a especialista. Além disso, há tratamento com cremes hormonais vaginas para pacientes na perimenopausa e menopausa, que podem ajudar muito. Mas atenção: “Essa medicação já apresenta contraindicação, então procure ajuda especializada”.

No entanto, existem outros casos que pedem acompanhamento especializado, seja com um ginecologista ou com um sexólogo. O profissional vai poder avaliar qual é o melhor tratamento. Eles estudaram durante anos e estão lá para te ajudar, então não precisa ter vergonha! Assim que perceber que algo está fora do lugar, procure ajuda.

 

Deixe uma resposta