Quando a tecnologia se une ao sexo

É clichê dizer que estamos vivendo em uma era tecnológica, mas fazer o que? É a pura verdade. Hoje podemos controlar as luzes de um ambiente pelo celular, carros já não precisam de motoristas e robôs conseguem se comunicar em uma linguagem própria. Toda essa inovação (outra palavra que está cada vez mais batida) não poderia ficar longe da indústria erótica. Depois de escrever sobre a i.Con, a camisinha inteligente, resolvi procurar outros itens/iniciativas que uniram a tecnologia com o sexo. Dá só uma olhada!

Robôs sexuais

Acreditem se quiser: cientistas sociais acham que, até 2050, estaremos fazendo mais sexo com robôs do que com outros seres humanos. O fenômeno já até ganhou nome, “robofilia”, e não precisamos ir para o futuro para observá-lo. Já estão disponíveis no mercado robôs que fazem sexo e que têm reações quando são tocados. Dependendo do lugar onde são tocados, os bonecos soltam frases como “faz mais forte” ou “estou tão excitada”. Preciso nem dizer que, em nome de uma experiência mais completa, os orifícios desses robôs possuem sensores e motores que os aproximam da realidade. Para quem manja do inglês, veja o vídeo para entender como eles são feitos:

Como não podemos ter coisas boas nesse mundo, já inventaram uma boneca para simular estupro. Se o comprador tocar a “Frígida Farrah” em lugares íntimos, ela não vai curtir e a penetração é difícil, quase forçada. E tem mais: esse tipo de compra pode te matar – e isso não é um exagero. O especialista Nick Patterson afirmou que hackers podem invadir o sistema desses robôs e assim terem o total controle dos movimentos de braços, pernas e outras ferramentas anexadas. Uma vez hackeados, os bonecos podem ser usados para vários fins desagradáveis, inclusive machucar as pessoas.

Conheça a pulseira que gera energia através da… Masturbação

O Pornhub, um dos maiores sites de pornografia mundo, criou a Wankband, pulseira que gera energia enquanto o usuário se masturba. É isso mesmo, você não leu errado. A pulseira gera energia através da masturbação. A empresa não desperdiçou o potencial de brincadeiras e anunciou o Wankband como a “primeira tecnologia vestível que permite amar o planeta amando a si mesmo”. A pulseira é unisex e gera energia quando movida para cima e para baixo. Dentro dela tem um carregador cinético que armazena a eletricidade gerada e que pode ser utilizada para carregar qualquer dispositivo.

A empresa ainda está desenvolvendo a Wankband e você pode ajudá-los nessa árdua tarefa. Clique aqui para se candidatar a testadora beta!

Sexo à distância

Ninguém pode negar que um dos benefícios da tecnologia foi unir as pessoas. Mandar uma mensagem para o Japão e ter a resposta na hora já é considerado normal. Não é à toa que muitas pessoas estão em relacionamentos à distância, facilitados pelos aplicativos de mensagens e redes sociais. E se elas (e todo mundo!) pudessem fazer sexo à distância? Pois é. Pessoas que não estão no mesmo lugar podem usar brinquedos sexuais eletrônicos que podem ser acionados remotamente pela internet. Assim, um pode dar prazer ao outro, independente da onde estão.

 

que nem mocinha - vibease - tecnologia & sexo

Um desses “vibradores inteligentes” é o Vibease. Um dos seus (muitos) benefícios é que ele funciona com audiobooks. Sabe aquele livro que te deixa toda animada? Você vai poder senti-lo de forma ainda mais intensa. É só baixar o aplicativo do Vibease e ir na Fantasy Story para encontrar um audiobook erótico para te divertir. O brinquedo se conecta ao seu celular via bluetooth e vibrará de acordo com o que está acontecendo na narrativa.

Já que estamos falando de sexo com tecnologia…

Não posso deixar de falar da realidade virtual! Sabe aqueles óculos que estão sendo muito usados em jogos de videogames para fazer com que você sinta que está mesmo num campo de batalha? Então, não demorou muito para que alguém os utilizasse em filmes pornôs. Tem até sites que oferecem  streaming sexuais com câmeras de realidade virtual ao vivo. Falando por experiência própria, eu já vi pornô com os óculos VR e achei tudo muito estranho. Primeiro que eu fiquei enjoada – não pelas cenas, mas porque usar aquilo tava me dando dor de cabeça. Depois que não é nada demais, é tudo muito falso (pior que os filmes pornôs nos sites). Nota 3, e só não foi zero porque eu gosto de ter novas experiências.

E aí, mocinhas? O que acharam? Usariam alguma dessas inovações? Aproveite para navegar pelo nosso mapa e ver os nossos outros posts! 

Deixe uma resposta