“Por que eu sempre sou a amante?”

Olá, mocinhas! Tudo bem com vocês? Hoje falo de um assunto que, infelizmente, é a situação de muitas mulheres: ser a amante. Algumas nem sabem que são a “outra”, o que torna tudo muito pior. Tudo começou com a pergunta de uma leitora, que se vê entrando em diversos relacionamentos em que ela é sempre a amante. Difícil, né? 

“Oi meninas
Ai que felicidade ler o blog de vcs, ainda mais numa fase tão bad de minha vida.
Eu sou um desastre em meus relacionamentos e de uns tempos pra cá me dei conta q eu só me envolvo com cara comprometido, casado, noivo,num aguento mais….
Mas num sei sair dessa situação….
Socorro”

Antes de qualquer coisa, gostaria de recitar um versículo dos ensinamentos da Igreja da Santa Cher: “Jamais julgar a coleguinha antes de ouvir o seu lado da história”. Ouvi um amém?

que-nem-mocinha-por-que-eu-sempre-sou-outra-amante

A intenção aqui não é de julgar e condenar quem já passou por situações assim. Muito pelo contrário: é ter a oportunidade de  discutir todos os aspectos da sexualidade e comportamento feminino. Em 2014, foi publicada no Jornal de Psicologia Social Experimental uma  pesquisa que visava observar fatores psicológicos que levavam uma mulher a se envolver com homem comprometido. As mulheres foram questionadas sobre o que fariam se o homem perfeito para elas estivesse em um relacionamento amoroso com outra pessoa. 90% afirmaram que correriam atrás dele mesmo sabendo que ele não era solteiro.

O principal fator é essa romantização que nós temos dos relacionamentos tóxicos. Muitas vezes, a amante sabe que o homem não sairá da sua zona de conforto, e mesmo assim, espera e aguarda o desfecho feliz do seu conto de fadas. A pesquisa apontou alguns fatores que levam a se envolver com alguém comprometido. São eles:

  • Emoção e adrenalina de se ter um caso.
  • Baixa autoestima: Algumas mulheres não acreditam ter potencial para serem as “oficiais” em decorrência a abusos e mal tratos no passado. Por isso, se “contentam” em ser amantes porque acreditam que não são “boas o bastante” para outra coisa.

    que-nem-mocinha-sou-a-amante

    “Eu me sinto insegura o tempo todo”

  • Poder, controle e o medo real de se envolver: Algumas mulheres dizem que procuram alguém comprometido porque gostam de se sentirem no controle da situação. Teoricamente, elas não têm nenhum tipo de amarra e podem deixar o parceiro a hora que bem entenderem. Porém, esse comportamento geralmente é um reflexo do medo de abandono ou de compromisso. Esse tipo de mulher tem histórico de abuso ou se machucou muito em relacionamentos anteriores; encontra, nesse tipo de arranjo, uma forma de se sentir mais segura. No entanto, não percebe que, na verdade, acaba sendo controlada pelos desejos do homem casado, já que é ele que decide se vai deixar a esposa ou encerrar o caso.
  • Vicio em sexo: Muitas mulheres viciadas em sexo se envolvem com pessoas comprometidas. Encerrar esse ciclo é praticamente impossível sem a ajuda de um psicólogo. Há vários fatores que contribuem para uma mulher tornar-se viciada em sexo, incluindo o abuso sexual na infância.
  • Rivalidade feminina: Infelizmente, crescemos ouvindo que nós, mulheres, não podemos ser de fato amigas, que temos inveja uma das outras… Gente, parem.
  • Porto seguro: Como é um homem que já casou e, em alguns casos, tem filhos, a mulher acha que ele transmite mais segurança do que um solteiro. Logo, acaba se sentindo muito mais segura ao lado dele e, por consequência, se apaixona.
  • Salvadora da pátria: É muito comum acontecer com mulheres que estão sendo iludidas. O homem diz que está em um relacionamento problemático, sofrendo muito… E ela sente que foi a escolhida para salvá-lo dos seus problemas. Mas não é assim, ok? Você não vai resolver todos os problemas dele, pelo menos não sozinha. E colocar esse peso apenas nas suas costas é terrível, autodestrutivo.
  • Tédio e problemas no atual relacionamento: Acontece muito quando a mulher também está comprometida com outra pessoa. Como o relacionamento já não é a mesma coisa, ela entra nessa aventura de cabeça, acaba se apaixonando pelo homem e perdendo o interesse pelo atual parceiro.

Sabemos que no coração não se manda e que às vezes nos apaixonamos pela pessoa errada. O problema é quando se estabelece um certo padrão de comportamento, o que traz tristeza e sofrimento, como o caso de nossa querida leitora. Acho que o primeiro passo é refletir se esse tipo de relação te deixa feliz, e quais os motivos que te levam sempre a querer alguém já comprometido.

Não sou ninguém para julgar quem se envolve com  alguém já comprometido, até porque cada caso é um caso. Há casais que se apaixonam e resolvem a sua situação para construir algo com a nova paixão. Já outros preferem usar as clássicas desculpas, como “são os filhos”, “minha mulher é louca”, “e complicado se separar”, “não é você, sou eu”… No fim, são apenas isso: desculpas. Ele dificilmente vai largar a sua vida confortável por outra pessoa.

Se você não está feliz e não sabe como sair desse padrão comportamental, procure ajude psicológica. Não tenha medo, outras mocinhas já passaram por isso. Mesmo quem não passou, não pode julgar. O papel do terapeuta não é julgar, e sim acolher e dar apoio para o paciente encarar seus problemas e seguir em busca da felicidade e do equilíbrio.

Deixe uma resposta