O recomeço é possível

Olá mocinhas, tudo bem com vocês? Essa semana vou abordar um tema extremamente delicado, e que, infelizmente, é recorrente na vida de muitas mulheres: Como voltar a atividade sexual depois de abusos — sejam eles físicos, psíquicos e/ou sexuais? O assunto veio com o seguinte pedido de ajuda de uma leitora: Tenho um histórico de abusos físicos e sexuais, tenho muitos traumas, mas agora eu to com uma pessoa especial e queria muito me permitir a viver minha sexualidade sem amarras,sem travas. Existe técnica para esse recomeço? A agressão sexual é parte de uma dolorosa realidade que não podemos negar. O estupro é uma experiência muito traumática, cujas consequências podem afetar a vítima pelo resto de sua vida, inclusive causando danos psicológicos (80% das vítimas). As vítimas de estupro sentem medo, culpa, ódio, vergonha e desconfiança após a experiência traumatizante. Muitas delas passam a ter problemas de autoestima, depreciação e desapego por si mesmas. Uma mulher que sofreu um estupro tem grandes chances de desenvolver depressão, se isolar e até mesmo se marginalizar. Os sentimentos de culpa e vergonha devido a experiência traumatizante afetam os relacionamentos e a vida sexual da vítima. Ela se torna extremamente sensível com relação ao sexo, pois tudo que envolve esse assunto pode fazer com que ela relembre o evento traumatizante. Não existe uma técnica ou algo que amenize tamanha  dor; o que existe é a empatia por parte do novo parceiro e apoio da família, que ajuda a superar gradualmente esse trauma. Muito importante e fundamental para esse processo de recomeço é contar com apoio e respaldo de profissionais da psicologia, para que se auxilie a entender e compreender tantos sentimentos intensos e que acolha e mostre que é possível um novo recomeço. Cada mulher tem seu tempo para voltar a atividade sexual. Não há regras sobre tal, o importante é respeitar esse próprio tempo e contar com muito acolhimento e amor. Escrever sobre esse assunto foi muito importante para mim, pois não se trata apenas da história de nossa querida leitora, mas um pouco da minha própria história: eu também fui vitima de abuso sexual. Após um  bom período na terapia, sinto que  consegui me livrar de culpas e raiva que tinha de mim mesmo; consigo perceber minhas reações físicas  e psicológicas  quando estou diante de situações que me remetem a essas lembranças e me recordo o quanto de força eu tenho para continuar e perseverar Não se trata de um processo simples como se nossa mente tivesse as teclas crtl+alt+del e boom!, toda aquela história horrenda some. Infelizmente não é desse jeito. Não foi fácil recomeçar. Para ter minha sanidade mental, tive que renunciar de algumas coisas, porém com a ajuda que tive de minha terapeuta, o amor de amigos e familiares e o respeito que meu parceiro tem por mim, o sorriso de minha filha são sinais que para para mim todo dia é um novo recomeço. Mais uma coisa importante: Para denunciar todo e qualquer tipo de violência contra a mulher, você deve ligar para o número 180, que é da Central de Atendimento. Todas as denúncias são anônimas. Você também pode gostar de…Câncer de mama: Tratamentos e o recomeçoSobre BDSM e abusoA culpa não é sua, mana.Estupro não é sexo Leia também: