Motivos para vocês se aventurarem no roleplay

Você entra sozinha em um bar e se senta no balcão. Tá de boas no celular quando repara que tem uma pessoa linda te olhando. Vocês trocam uns sorrisos e a noite ganhou um significado a mais. Parece ótimo, não? E se a “pessoa linda” for seu namorado ou namorada, mas, naquele momento, vocês fingem que são estranhos? Isso, caras mocinhas, nada mais é que um roleplay. Quem é do mundo do RPG já está acostumado com essa palavrinha. Resumindo para quem não é dos games, é uma forma de jogo em que os jogadores fingem ser outras pessoas, em épocas ou situações diferentes. No mundo sexual, é por aí também: você e seu parceiro ou parceira fingem ser outras pessoas com fins eróticos. Nunca passou pela sua cabeça esse tipo de brincadeira? Então continua lendo porque eu vou te contar porque vocês deveriam se jogar nessa aventura!

Sobre roleplay

O roleplay sexual pode envolver duas ou mais pessoas e funciona como uma forma de preliminares – e é bem divertido, acreditem. Se vocês planejam uma história envolvendo médico/médica x paciente, por exemplo, a brincadeira começa bem antes da “consulta”. Parte da graça, na minha opinião, é criar as histórias, trabalhar nos detalhes, como roupa e caracterização do lugar. Para muitas pessoas, essa prática serve para superar a timidez na hora do sexo. Achou estranho? É que nem teatro: quando você interpreta alguém, você se “libera” das próprias amarras.

que nem mocinha - roleplay - nurse

 

O quão séria vai ser a brincadeira só depende de vocês. Vocês podem fazer de maneira bem simples, com poucas caracterizações, ou mais elaborado, com fantasias completas e um script. O lado bom é que qualquer papel ou situação pode ser transformada em uma experiência sexual: vocês podem usar uniformes, brincar com dominação e submissão, e por aí vai. O limite é o consentimento – com todo mundo de acordo, vocês podem se jogar a vontade.

Porque tentar

Nós vivemos em uma sociedade que reprime as fantasias consideradas não tradicionais. Isso causa uma frustração e repressão dentro da gente que, vamos ser sinceras, não é saudável. Então, quando você se abre com seu parceiro ou parceira sobre determinada fantasia, isso é bom para o relacionamento. Significa, de maneira bem simples, que você confia na pessoa a ponto de se expor desse jeito. É claro que ele/ela não tem que fazer só porque você está afim – como bem já falamos, ninguém é obrigado a transar só porque está em um relacionamento. Se esse for o caso (você ou a outra pessoa não topar), não tem problema. Isso não significa que vocês não se gostam, apenas que não possuem essa fantasia em comum. Uma boa forma de ver se vocês estão na mesma página em relação a várias fantasias/situações sexuais, é fazer esse questionário aqui.

Outro motivo que leva muitos casais a se aventurarem no role play é tentar reacender a chama da relação. Brega, eu sei, mas é verdade. Criar uma fantasia juntos pode ser dar aquele gás a mais na energia erótica que, por inúmeros motivos, pode estar em baixa. Às vezes, vocês nem precisam ir para os “finalmentes”, só a brincadeira de construir a fantasia com o parceiro ou parceira já é suficiente.

Relação com BDSM

Muitos dos cenários de roleplay envolvem brincadeiras de poder – alguns têm uma vibe de dominação e submissão que é muito frequente no mundo BDSM. Lembrando que, nesses casos, é de extrema importância que vocês conversem sobre limites antes e que vocês combinem uma palavra de segurança. Ela é uma palavra ou ação combinada previamente pelo casal para indicar que se atingiu determinado tipo de limite, que algo não está bem (dificuldade de respirar ou tontura, por exemplo) ou simplesmente que a pessoa quer parar.

que nem mocinha - role play - bdsm

Possíveis cenários

Ótimo, vocês curtiram a ideia – mas não fazem ideia de quais situações podem brincar. Para ajudar vocês, separei os cenários mais comuns, ótimos para quem tá começando:

• Médica/Médico x Paciente: Clássico, né?
• Prostituta x Cliente: Um parceiro ou parceira assume o papel de garoto/garota de programa. O encontro pode ser na própria casa ou em um hotel.
• Executiva/Executivo x Secretária/Secretário.
• Professora/Professor x Aluna/Aluno.

Sobre as roupas

Para finalizar, uma questão que me incomoda um pouco: a caracterização. Em muitas sexshops, vimos roupas que são, teoricamente, para esse tipo de ocasião. Só que, vamos combinar, isso parece roupa de aluna para vocês?

que nem mocinha - role play - aluna

É, para mim também não.

Então, a minha sugestão é que vocês montem as próprias fantasias para parecer o mais realista possível. Dessa forma, é mais fácil entrar na brincadeira do role play. É bem fácil encontrar as roupas, e eu acho que vale o “esforço extra”.

E aí, mocinhas? O que acharam? Topariam uma brincadeira dessas?

Deixe uma resposta