Massagem tântrica: vá hoje mesmo!

Há muito tempo que eu nutria interesse e curiosidade pelo tantra, e mais especificamente, sobre a famosa massagem. Relatos de orgasmos maravilhosos, incontáveis, certamente ajudaram a despertar isso. Comentei sobre esse fato com algumas pessoas. O que eu não sabia é que uma dessas amigas me ofereceria uma dessas sessões como presente. E, assim foi. Ou melhor dizendo, foi tudo isso e muito mais.

As promessas eram sensacionais: “conheça o potencial sensorial e orgástico do seu corpo”, “um sistema completo de tratamento para expansão da sensibilidade e desenvolvimento do orgasmo, possibilitando uma cura no corpo, na mente e nas emoções”. Eu lia essas coisas e, cética que sou, pensava: mas será mesmo?

Devo confessar que é bom provável que eu jamais tivesse vencido meus preconceitos se não tivesse ganho essa sessão como um presente. O terapeuta que ela me indicou era um homem. Nós nos falamos pelo WhatsApp algumas vezes e combinamos dia e horário. Ele sabia que eu sou uma jornalista e que, portanto, faria algumas perguntas.

Foram duzentas e cinquenta, aproximadamente. Lógico que eu estava tensa e curiosa. E uma maneira de nós, jornalistas, pretensamente controlarmos as situações é essa: fazendo perguntas. Eu queria saber como seria o processo, por que era considerado algo terapêutico. Queria ouvir histórias de outras pessoas, e especialmente estar a par de tudo que seria feito com meu corpinho, de antemão.

Ele foi extremamente paciente e claro, o que me deixou muito confiante. “O que faremos aqui tem o objetivo de aumentar o espectro das sensações localizadas na sua pele e nos músculos sexuais, oferecendo uma ampla gama de novas sensações e prazeres, modificando sua estrutura bioelétrica corporal”, ele explicou. “Isso propicia novas qualidades de orgasmos, de intensidade diferente dos usualmente conhecidos”.

que nem mocinha - massagem tântrica

Depois de uma longa conversa, ele se retirou da sala, e eu fiquei completamente sem roupa, no ambiente escuro, com uma música relaxante. Como eu sabia, os toques começaram leves, e por todo o corpo. Minha respiração foi ficando pesada, e a música e as coisas que eu ia ouvindo foram me levando a um nível de relaxamento e concentração cada vez maiores.

Nesse ponto, começa a massagem propriamente dita nas zonas erógenas. Numa relação sexual, nós estamos interagindo com alguém e, obviamente, preocupados com que tipo de sensação essa outra pessoa está experimentando. Na massagem, a situação é bem diferente. Se funciona, a ideia é que seja algo sobre você mesmo e suas sensações. Isso dá a possibilidade de um grau de relaxamento que a gente não experimenta sempre.

Eu não sabia que o final desse processo incluía o uso de um vibrador, o pequeno e potente bullet. Se eu gozei? Sim, de uma maneira extremamente intensa. Mas a minha surpresa não seria exatamente essa. Foi o que veio depois, e depois de depois, que me pegou desprevenida.

O final do processo da massagem, o momento da volta, é bastante demorado. Eu tenho a sensação de que durou muito. Nesse ponto, foi como se eu atingisse um outro nível de consciência. Tive a nítida sensação de que estava em meio a uma escuridão muito profunda, e que eu caminhava para dentro dessa escuridão sem ter medo. Era algo como se eu tivesse feito um mergulho dentro de mim mesma que causou sensações extremas de felicidade, e depois, acabei chorando.

Num dado momento, percebi que eu conseguia controlar essa “caminhada” para dentro de mim mesma. Se existe essa escuridão que nos circunda, e às vezes, amedronta, nós também somos a luz que é capaz de atravessá-la. Honestamente, foi uma das coisas mais curiosas e também bonitas que eu já vivi. E me deixou com uma vontade enorme de explorar mais esses caminhos, e de, quem sabe, aprender a meditar.

Saí do centro de terapias leve e feliz, e acho que ainda fiquei assim por uns bons dias. Shantô me avisou que seria assim e se colocou à disposição caso eu precisasse falar.

Já faz alguns meses que eu estive lá, prometi a ele que escreveria um texto contando como tinha sido. Mas foi bom ter demorado um pouco mais. Ele tinha me avisado que meus orgasmos dali por diante seriam mais intensos. Mas eu, mulher de pouca fé, não acreditei muito. Mas, bingo, é isso mesmo.

Não sei explicar completamente por que isso acontece. Certamente, essa foi uma experiência marcante para mim, e se puder, farei outras sessões. Recomendo fortemente. E vocês, sabem algo mais sobre a massagem tântrica? Já fizeram? Querem fazer? Contem aí nos comentários, please <3

*O Centro de Terapias Integradas Sammasati fica em Botafogo, aqui no Rio de Janeiro. Quem quiser mais informações sobre as várias atividades que eles têm lá, clica aqui.

One comment

  1. Camila says:

    Olá meu nome é Camila
    Fiz duas vezes essa massagem, realmente é tudo isso que vc escreveu. Penso que nos mulheres somos ainda muito inseguras com nosso próprio desejo..as vezes o choro após o orgasmo na massagem é apenas um alívio de toda a repressão que vivemos nessa sociedade.
    Também. Super recomendo
    .

Deixe uma resposta