Golden shower: Vamos conversar sem nojinho?

 Se preparem que hoje o assunto é polêmico: golden shower (“chuva dourada”, em português). É o nome popular para a urofilia, que é a excitação  associada ao ato de urinar ou receber o jato urinário do parceiro. Em alguns casos, a pessoa bebe a urina da outra. Se você torceu o nariz ou teve ânsia de vômito, pode parar. É um dos fetiches mais comuns, só que quase ninguém fala porque tem medo de ser julgado pela sociedade. Nós já falamos e repetimos: se as duas (ou mais) partes podem consentir e o fazem, por que não?

Por isso, hoje vou falar sobre o golden shower, que ganhou bastante espaço na mídia depois do vazamento de um dossiê com várias informações supostamente reunidas por Vladimir Putin, presidente da Rússia, sobre Donald Trump, recém-eleito presidente dos Estados Unidos, para chantageá-lo. Entre essas informações, estaria a denúncia de uma “fantasia sexual perversa”, em que Trump teria contratado prostitutas durante uma viagem a Moscou, e ordenou que elas urinassem na cama onde Barack e Michelle Obama dormiram meses antes durante uma viagem oficial à Rússia. Isso sim que é bizarro, se vocês querem saber minha opinião…

Bem, o fuzuê sobre isso foi tanto que até mesmo o PornHub falou sobre! Eles lançaram uma pesquisa que mostra que, a partir do dia 11, a procura por “golden shower” aumentou 289% em comparação a base normal. A pesquisa por “watersports” (outro nome da prática) aumentou em 215%, juto com outros termos como “pissing” (mijar).

pornhub-insights-golden-shower-search-increase-timeline

Taí os dados que não me deixam mentir

Quem procura por isso são, basicamente, homens a partir de 65 anos. Vou apenas dizer que Donald Trump tem 70 anos — vocês cheguem a conclusão que quiserem com essa informação. Os homens são 24% mais propensos a pesquisar do que as mulheres, e os visitantes da Pornhub com mais de 65 anos são 75% mais propensos a pesquisar quando comparados com todos os outros grupos etários. A República Checa é o país que mais procura pela prática, seguida da Áustria e Suíça. Na lista com os 17 países, o Brasil não aparece — fica aí a curiosidade para ver em qual posição estamos no ranking.

Achou que eu ia me contentar em apenas trazer esses dados? CLARO QUE NÃO! Entrevistei quatro pessoas que praticam ou já praticaram o golden shower para vocês entenderem que, por trás desse fetiche, existem pessoas. Pessoas  como eu e você, que se estressam com o telemarketing, têm família, se relacionam… Conversei com elas para entender um pouco mais sobre o golden shower e como falar com o parceiro ou parceira se você quiser experimentar.

Sobre o golden shower

Como falei ali em cima, o golden shower é um fetiche, muito comum, principalmente no universo BDSM. Muitas pessoas torcem o nariz para a prática, o que eu considero errado: um fetiche não deveria ser demonizado por simplesmente existir. Se não é a sua praia, beleza, também não é a minha, mas tem quem gosta e são pessoas normais que devem ser respeitadas. Separei algumas dúvidas para quem tá curiosa em saber mais sobre o golden shower:

1. Não é sujo? 

Nope. Nós temos essa ideia que é algo nojento e sujo, mas a urina de uma pessoa saudável é essencialmente estéril e considerada não tóxica — mais de 95% da sua composição é água. O restante é principalmente um composto chamado ureia (a fonte daquele cheirinho característico), e uma variedade de outras substâncias. Sim, tem toxinas, mas em quantidades tão minúsculas que são inofensivas.

2. Então é uma prática sem risco?  

Eu disse que a urina de uma pessoa saudável é essencialmente estéril. Se ela não for saudável, o cenário muda. Assim como muitos fluidos corporais, a urina pode transmitir algumas DSTs ou infecções, porque pega microrganismos que vivem em uretra suja ou infectada, como o citomegalovírus (um tipo de vírus da herpes). A urina pode sim transferir bactérias e vírus como gonorreia e clamídia, mas há pouca evidência científica mostrando risco de infecção por transmissão via xixi. Acredita-se que a urina é um ambiente em que a maioria dos organismos não consegue sobreviver.

Não há risco conhecido de transmissão do HIV através da urina — mesmo se você beber. A urina, como lágrimas e saliva, pode conter vestígios de HIV, mas os níveis são muito baixos para representar uma ameaça. O mesmo acontece com o cuspe, suor, muco, lágrimas, vômito e fezes. No entanto, se qualquer um dos mencionados acima conter sangue, o risco é aumentado.

3. Tem gente que bebe o xixi, não me diga que isso é tranquilo! 

Pois digo. A urina em si não apresenta risco à saúde. Mas por causa dos ácidos, sais, minerais e outras enzimas que ela tem, o seu consumo pode causar irritação, especialmente para pessoas com úlceras, problemas renais ou semelhantes. Para quem pratica isso com frequência, é recomendado que a pessoa se hidrate bastante depois para compensar as altas concentrações de sódio e outros minerais engolidos (urina contém cerca de metade da concentração do sal da água do mar).

Da onde vem esse fetiche?

Acho que nunca saberemos, da mesma forma que nunca saberemos da onde vem a motivação de muitos fetiches — a não ser que você vá em um psicólogo ou sexólogo para trabalhar especificamente nisso. A “motivação” pode vir de várias maneiras: para Sabrina*, por exemplo, veio com o marido: “Ele falou que tinha um fetiche diferente, mas que tinha medo de falar e eu ir embora. Então pedi para que ele me mostrasse um vídeo, e ele me mandou um. Minha primeira reação foi tentar entender o porquê de alguém querer algo tão humilhante, porque o vídeo mostrava um lado bem cruel da pratica, com a pessoa sendo obrigada a lamber no chão, a tomar em uma taça e tal”, conta. Como era muito curiosa e a favor de realizar uma fantasia antes de descartá-la, Sabrina aceitou o pedido do marido de urinar em um copo para ele beber. Isso virou rotina no casal: toda manhã ela fazia isso, e ele bebia e se masturbava antes de ir para o trabalho. Até que um dia, durante o sexo,o  marido de Sabrina pediu para que ela agachasse bem próximo ao rosto dele e fizesse xixi. Ela obedeceu e, assim que terminou, sentou no rosto dele e ordenou que ele a fizesse gozar: “Ele pirou! Gozou sem nem estar se masturbando ou eu tocando ele”.

Já para Alexandre, foi bem natural. Ele conta que sempre teve muito tesão por urina, e curtia buscar esse tipo de fetiche online para se masturbar. Um belo dia, durante as brincadeiras que ele e o namorado tinham durante o banho, a ideia surgiu: “Nós sempre fomos muito abertos a experimentar coisas novas, e tínhamos uma uma tendência a considerar muito os fluidos no nosso corpo durante o sexo. Aí logo virou rotina no sexo”. O mesmo aconteceu com Joana*, que desde pequena tem essa vontade. “Eu brincava com minha prima na praia, e, às vezes, ela urinava em mim. Isso me deixava bem excitada, apesar de não entender a sensação. Desde a infância ouvir outras pessoas urinando me excita também. Foi só entrar na adolescência para pesquisar mais o que era aquilo e me encantar com o arsenal de videos”, conta. Ela diz que que começou com algo chamado “omorashi”, que é o fetiche por pessoas com a bexiga cheia, que depois urinam em si mesmas. Quando levou o assunto para a namorada, a parceira topou na hora.

Ok, fiquei curiosa.. Como eu falo com meu parceiro ou parceira?

De fato, as palavras “golden shower” podem assustar um parceiro ou parceira que tem a mente mais fechada. Por isso, a ideia é ir com calma, aos poucos — até mesmo para ver até qual ponto vocês podem ir. Você pode começar comentando casualmente, falar que leu uma matéria e queria saber o que ele ou ela acha do assunto. Se sentir que a outra pessoa curte a ideia, mande alguns vídeos do tema, começando pelos mais leves e veja como a outra pessoa reage. Uma vez que o terreno está preparado, fale abertamente com a pessoa sobre a sua vontade de experimentar.

Lembre-se: as duas partes tem que estar de acordo. Não adianta nada fazer algo só porque a outra pessoa quer. Se aquilo dá o maior tesão na pessoa, mas você não se sente confortável fazendo, não faça. Sexo é para as duas partes ficarem excitadas, ok?

E se eu quiser experimentar?

Se você quiser experimentar e achou outra pessoa que também queira, se joguem! Só fiquem de olho nessas dicas, ok?

1. Beba muita água. Urina diluída é muito mais tranquila. Apesar do nome ser “chuva  dourada”, quanto menos dourado, melhor!
2. Evite comer carne, alho, espargos, café, batidos de proteínas e suplementos vitamínicos no dia. Eles deixar sua urina com gosto e odor muito forte. Certas coisas são acreditadas para fazer o seu “peeps” ter um gosto mais doce, como abacaxis, morangos, cerveja e adoçantes artificiais.
3. Faça-o na banheira ou no banho. Além da limpeza ser mais tranquila, diminui o fator “eca!” para os iniciantes.
4. Evite o xixi da manhã, aquele que você faz quando acorda, que muitas vezes é mais forte e escuro.
5. Esteja ciente de cortes abertos ou feridas na região que vai acontecer a chuva. A urina pode queimar ou irritá-los.
6. Seja paciente. Fazer xixi quando o homem é estimulado e ereto pode ser difícil.
7. Se você beber xixi durante o sexo,  lembre-se da dica que eu dei ali em cima: beba muita água depois.

E então? Foi tão ruim assim? Qualquer dúvida, só deixar nos comentários ou enviar para thayanne@quenemmocinha.com 😀

* Nomes alterados para preservar a identidade dos entrevistados.

Deixe uma resposta