Corpo,  Sexo

Contracepção: Métodos alternativos

No nosso especial de contracepção, não poderíamos deixar de falar dos métodos que mais geram polêmicas: os alternativos. Todos os que vamos falar agora exigem grande conhecimento do corpo e que a mulher preste muito atenção. Eles não são recomendados pelos médicos porque muita coisa pode dar errada, mas vamos falar mesmo assim porque muitas optam por eles porque são naturais – ou seja, não colocam mais hormônio para dentro do corpo. Então muito cuidado se quiser testá-los, ok?

Coito interrompido

Pode ser considerado o método contraceptivo mais antigo e consiste da interrupção do ato sexual um pouco antes da ejaculação. Os grandes problemas desse método, quando usado sem outro tipo complementar de contracepção, é que o pênis é retirado na hora errada, deixando acontecer ejaculação dentro do canal vaginal e/ou o líquido pré-ejaculatório que pode conter pequenas quantidades de espermatozoides. Ou seja, a mulher corre o risco de engravidar.

Tabelinha

Consiste na análise de quando será o período fértil da mulher. Levando em consideração que um espermatozoide vive em média, dentro do aparelho reprodutivo da mulher, 3 dias e a ovulação dura 24 horas. Então o sexo precisa ser com proteção nesses dias que antecedem a ovulação e no dia da ovulação, claro. O problema desse método é que muitas mulheres não tem ciclos regulares, o que é essencial para o uso da tabelinha. Se você optar por esse método, existem aplicativos que ajudam na sua eficácia.

Muco cervical

Baseia-se na análise do muco que provém do colo do útero para identificar o período fértil. Durante o período fértil a mulher libera uma mucosa transparente e pegajosa, semelhante a clara de ovo. Quando se identifica a ovulação, faz-se abstinência ou usa-se um método de barreira. Esse método não é muito seguro, pois o corpo humano sobre variações que podemos não identificar, assim podendo não acertar o período fértil.

Sem formação acadêmica definida, um reflexo claro de como para uma aquariana legítima nada tem rótulos. Vive uma eterna desconstrução social e quer mudar o mundo com as próprias mãos. Absorve todo o tipo de cultura pop, nem que seja para falar mal - que sempre acontece -, mas tudo pode ser deixado de lado por mais um gif de um bebê fofinho e seu cachorro tão fofo quanto.

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *