Conheça o Método Billings

Cada vez mais, as mulheres estão parando com a pílula e considerando outros métodos contraceptivos. Essa mudança tem vários motivos: os efeitos colaterais (como aumento de peso e baixa libido), preocupação com o risco de trombose, aumento da enxaqueca e querer conhecer e estar conectada com próprio corpo e ciclo menstrual. Algumas, como eu!, procuraram outros métodos desenvolvido por médicos, como o DIU (de cobre e hormonal) e o anel vaginal, enquanto outras optam por técnicas naturais para evitar a gravidez. E é sobre esse último grupo que vamos falar hoje, mais especificamente sobre o método Billings. Entre seus benefícios, está o aumento do autoconhecimento da mulher. Sobre o Método Billings Lá nos anos 50, um grupo de pesquisadores liderados pelo médico John Billings observou mais de 800 mil análises hormonais e percebeu que era possível reconhecer o período fértil da mulher a partir do ápice da produção do estrógeno. Não lembra das aulas de biologia? Eu te explico: esse hormônio é  responsável por formar um muco na cérvix, região que fica próxima ao colo do útero. Daí surgiu um estudo, chamado de Método de Ovulação Billings (MOB), cuja conclusão foi que se a mulher observar as diferentes texturas dessa secreção, ela poderia saber quando está no período fértil. Só mais de 50 anos depois é que as pessoas estão começando a falar sobre esse método, seja como um aliado na hora de engravidar ou evitar uma gestação. Como eu falei logo no início do texto, essa onda de curiosidade cresceu porque as mulheres estão procurando métodos contraceptivos alternativos ao anticoncepcional, e o Billings, por 100% natural, está sendo adotado por muitas dessas mulheres. Muita gente confunde técnica com a tabelinha, então prestem atenção: o Billings considera fatores biológicos individuais, e não apenas a contagem dos dias do mês. Nele, são as alterações da secreção natural da mulher ao longo do mês que indicam em qual período de fertilidade está está. Tá, e como isso funciona? Basicamente, você tem que conhecer muito bem o seu corpinho. Inclusive, é isso que atrai muitas mulheres: o método permite um conhecimento incrível sobre o nosso próprio corpo. E isso acontece de três formas. A primeira é a percepção da vagina, que pode estar seca, úmida (pouco líquido), molhada (bastante líquido) ou escorregadia. A segunda é por meio do muco: ele se apresenta na forma líquida, cremosa ou elástica? Prestem bastante atenção nessa parte, porque pode não ter nenhum muco visível na vulva. Neste caso, é realizada somente a observação da sensação vulvar. Para isso, você vai… Caminhar! Durante esse movimento, você vai ter uma sensação de seca, úmida, molhada ou escorregadia. Por fim, temos a  medição diária da temperatura corporal, que aumenta de 0,5 a 1°C durante a ovulação. Conhecendo o seu corpinho Você conhece o seu corpo? Conhece de verdade? Isso é fundamental para usar o Billings. E aviso logo: não vai ser fácil. Nós temos muita dificuldade em aceitar o nosso próprio corpo e procurar saber mais sobre ele, fruto de uma opressão que rola há séculos, então se preparem para um longo processo. E nem pensem em abrir mão de outros métodos antes de estarem 100000% seguras. Na verdade, como vocês já bem sabem, eu recomendo o uso da camisinha em todas as relações sexuais. É a única forma de vocês se prevenirem de muitas DSTs que estão por aí, prontas para entrarem em ação no corpinho de vocês. Para facilitar, fiz uma listinha do passo a passo que vocês devem tomar para começar essa caminhada. Recomendo que vocês falem com suas médicas de confiança, porque apoio profissional nunca é demais, ainda mais na hora de mudar de método contraceptivo. • Passo 1: Identifique os tipos de muco: Ao longo do mês, sua vagina produz diferentes tipos de secreções, que são naturais. Identificar a diferença entre elas é fundamental no Método Billing, em especial se o muco está elástico ou não. #FicaDica: Pegue um pouco do muco (com as mãos limpas!) e coloque-o entre o indicador e o polegar, tentando esticá-lo. Se você conseguir (alguns conseguem por até 5cm), é uma indicação que é um muco fértil, então você não deve ter relações sexuais (ou deve, se o seu objetivo é engravidar). Se não, ele é infértil. As principais fases e características dos mucos são: Na pós-menstruação, cerca de cinco depois depois, os seus níveis de hormônio ficam baixos. Você pode notar a ausência de muco ou a presença de um muco esbranquiçado, mas sem elasticidade nenhuma. Isso significa que você está infértil. O começo da fertilidade acontece no fim dos dias inférteis (na pós-menstruação) e vem antes do período altamente fértil, chamado de Janela da Fertilidade. Nessa fase o muco passa a ser mais elástico que antes, além de pegajoso e leitoso. As probabilidades de você engravidar são baixas, mas existem. Depois, vem a Janela da Fertilidade. O último dia com esse muco mais escorregadio e elástico é o dia da sua ovulação. É o dia mais fértil do mês, então nem pense em transar se você não quiser ter filhos. Em alguns casos, a ovulação pode ocorrer em até dois dias depois desse pico e, como o óvulo sobrevive por 24 horas, depois de três dias o seu período fértil terá acabado. Só um detalhe: Você só vai conseguir perceber que ovulou no dia seguinte, quando não tiver mais a sensação de muco escorregadio e começar a perceber uma diminuição no líquido, voltando aos poucos ao muco da fase infértil como o da pós-menstruação. Algumas mulheres conseguem sentir a ovulação, e descrevem a sensação como uma “fisgada” na altura do útero. Não espere sentir nada (eu não sinto, por exemplo), então fique bem atenta ao seu muco, ok? E nada de nojinho: essa secreção é perfeitamente normal. Se você acha que tem algo de errado com a sua, procure uma médica de confiança. • Passo 2: Atenção! Dificilmente você tinha prestado atenção ao seu muco cervical até agora, então é bem provável que nunca tenha reparado nas alterações que ele sofre ao longo do mês. Por isso, muitos instrutores desse método defendem a abstinência sexual durante o primeiro mês ou pelo menos os primeiros 15 dias de iniciação do método. Eles argumentam que, nos primeiros momentos, a mulher pode se confundir e não saber exatamente qual é o seu período fértil. Os aplicativos que monitoram os ciclos menstruais podem ajudar bastante nessas horas, clique aqui para saber mais sobre eles. Outro argumento a favor da abstinência é que a lubrificação sexual pode confundir e fazer com que algumas mulheres interpretem as secreções da forma errada. Então segure essa pepeca aí por um tempinho, se você realmente quiser usar esse método. • Passo 3: Bloquinho e caneta  É importante que você anote as fases do seu ciclo menstrual, então pegue um bloquinho e caneta, ou entre no site e-Billings, que é um aplicativo que te auxilia nas anotações do método. Você tem que anotar o seguinte: – Qualquer sangramento de escape ou se está menstruada; – Relações sexual (protegida ou não); – Se teve muco ou não. Se sim, pergunta-se se ele se manteve igual ao dia anterior ou mudou. E anote mesmo se a alteração for pequena. –  Pico de fertilidade e, se ele foi há menos de três dias, marque um “possivelmente fértil” para você ficar bem atenta. Se possível, imprima um calendário para anotar tudo isso. Com o tempo e com essas informações, você vai entender melhor o seu corpo e os sinais que ele te envia. Tudo lindo até aqui, porém… Antes de vocês se jogarem nesse método, eu recomendo que vocês conversem com uma ginecologista. É muito importante que tudo esteja ok com a sua saúde íntima, porque problemas como candidíase e outros que resultam em corrimentos vaginais podem atrapalhar a observação do muco cervical e confundir vocês. E sim, temos algumas “contraindicações”. Elas não são regras, e sim alertas. É de extrema importância que você tenha ciclos regulares, senão pode ovular em um dia fora do esperado e não perceber. E mais uma coisa: por volta dos 40 anos, as mulheres começam a ter alterações hormonais importantes, e a incidência de gravidez não planejada é grande nessa faixa etária. Então, se você estiver nessa fase, talvez seja melhor procurar outro método contraceptivo. Lembrando, como sempre fazemos aqui no blog, que a camisinha é o único método que previne a maioria das DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis). Então não vamos abrir mão dela, ok? Atenção! Diz a lenda que você não pode engravidar durante o período menstrual – e é apenas isso: lenda. Apesar das chances serem bem pequenas, você pode sim engravidar durante essa fase. Além disso, se você quer usar esse método, deve evitar fazer sexo durante a menstruação por outro motivo: o sangue pode mascarar a presença do muco fértil. Nesse caso, se você ficar fértil “naqueles dias”, não vai descobrir. Então, melhor previr do que remediar. Para saber outras formas de ficar grávida “sem querer”, clique aqui. O que acharam, mocinhas? Deixem suas opiniões e dúvidas nos comentários. Qualquer coisa, vocês também podem me contatar pelo e-mail thayanne@quenemmocinha.com <3 Você também pode gostar de…Contracepção: Métodos alternativosSeis meses sem anticoncepcionalCyclofemina, o anticoncepcional injetávelVem saber mais sobre a camisinha feminina! ❤ Leia também: