Amos & Masmorras III – A Missão

Demorou, mas a resenha do terceiro livro da série Amos & Masmorras finalmente está entre nós. Em “A Missão”, Cleo sai do foco e Leslie, sua irmã, entra no lugar. Acompanhamos a sua história com Markus, um dominador russo que se apresentou na Ilha quando Leslie foi sequestrada. Preparem-se para cenas quentes e um relacionamento difícil, recheado de temperamentos fortes e desejos reprimidos.

Se você não leu os dois primeiros livros, é melhor parar por aqui. O texto a seguir tem spoilers do início da série, ok? Clique aqui para ler a  resenha do primeiro volume; e aqui para ler o do segundo.

Vou começar dizendo que Cleo e Lion ainda estão no meu coração e que não achei a história da Leslie com o Mark tão marcante assim. Porém, como eu sou uma leitora daquelas que não se sente bem em parar no meio de uma série, li esse e o quarto volume em espanhol mesmo. Não estou dizendo que o livro é ruim (ele é bem bacana!), só não me prendeu como os dois anteriores. Vou explicar o porquê ao longo desse texto.

No meio do segundo livro descobrimos que Leslie foi sequestrada, mas depois que Mark percebeu que ela não era como as outras, resolveu investigar e pá, descobriu que ela era, na verdade, uma agente disfarçada. Ótimo para ele, que também era, mas a serviço da Rússia. Mas, né, não seria um livro de romance – muito menos um de romance erótico – se eles não tivessem tido aquela química fatal, que aumentou depois que Leslie aproveitou uma encenação durante o torneio de BDSM para fazer sexo oral em Mark.

que nem mocinha - amos e masmorras - a missão

Pois é.

Depois que o caso da Ilha é encerrado, Markus vai atrás de Leslie para dar o troco, com um truque muito conhecido (e aprovado!) por mim: bala de hortelã. Sabe, aquela famosa Halls preta? Pois então. O “acerto de contas” é o ponta pé inicial de Missão: os Serviços de Inteligência da Rússia e dos Estados Unidos resolveram unir forças para descobrir quem está por trás do tráfego de mulheres e drogas. Foi essa rede quem “selecionou” participantes do Torneio para serem cobaias de uma nova droga e para serem vendidas como escravas sexuais depois. Super light.

SÓ QUE, e é aí que entra a minha implicância, Markus tem seus “motivos particulares” para investigar esse caso (leia-se: vingança). E isso acaba influenciando a investigação, porque Leslie é super certinha, dona da porra toda e de um comportamento exemplar. Ou seja, ela quer fazer o que é certo, e ele quer vingança. Nunca que isso daria certo, ainda mais com tanta tensão sexual no meio. Mas, diferente dos livros anteriores, as cenas de sexo não são tão comuns. Uma coisa boa da Lena é que ela sabe encaixar o sexo nas histórias. Ele não é jogado, aparece quando deve, como forma de complementar tudo, e não sendo um “enche-página”. Sério, perdi a conta de quantos livros eróticos eu parei de ler porque percebi que a autora estava usando sexo para encher página.

que nem mocinha - amos e masmorras - a missão

Minha cara lendo esse tipo de livro

Markus é muito bad boy, o que pode ser um tesão para muitas mocinhas, mas eu achei um pouco exagerado. Ele até pensava na Leslie, mas na maior parte do tempo ele a usava para conseguir o que queria. E mais uma vez vemos uma mocinha presa em situações de risco porque um homem resolveu fazer o que queria e foda-se as consequências. Mas Leslie sabe disso, e joga na cara dele o que ele realmente é: um covarde.

Mesmo com essa raivinha, fui até o fim porque eu não gosto de parar na metade da série. O BDSM, tão presente nos dois primeiros volumes, quase desaparece nesse livro. Confesso que as cenas de sexo em geral não são o forte, mas o livro se vale pelo desenrolar policial. E o fim tem um daqueles ganchos que fazem você querer gritar de frustração porque ainda não tem a continuação. Quer dizer, tem, se você quiser aproveitar para praticar o seu espanhol.

De modo geral, eu curti o livro, apesar das minhas ressalvas sobre o caráter do Markus e do tempo que levou para ele e Leslie se resolverem (spoiler: só no Amos & Masmorras IV). Se você vai pela parte erótica, talvez seja melhor baixar suas expectativas ou voltar para os livros I e II.

E vocês, mocinhas? Leram os volumes anteriores? Já devoraram esse? Deixem seus comentários na caixinha aqui embaixo!

Deixe uma resposta