(+18) Amigo secreto, sexo perfeito

Fim de ano e suas milhões de comemorações sempre me irritaram um pouco, com as festas de empresa, tios do pavê e uvas passas para todos os lados. Mas, apesar de tudo isso, eu sempre tinha a esperança de algo me animar nesta época, até porque novos ciclos estavam prestes a se iniciar no ano que chegaria, não é verdade?

Eu estava há apenas três meses no meu atual emprego, uma agência super legal de publicidade, que era pequena e tinha uma equipe muito unida. Éramos um total de 30 funcionários trabalhando em dois escritórios e mesmo, sem nos vermos, a sincronia entre os dois times parecia muito boa! E há um mês, o diretor de arte sênior teve a ideia de fazermos um amigo secreto e uma pequena confraternização na sua casa. Todos foram convidados, desde a tia do café até o dono da agência, e a animação tomou conta de todos. Mas eu fiquei apavorada quando li o nome do meu amigo secreto, em uma letra que não dava para identificar bem como seria o dono dela: estava escrito “Bento” naquele papelzinho meio amassado.

Fiquei imaginando quem poderia ser o Bento, quantos anos tinha, se era bonito ou não.. Ai, eram tantas dúvidas! Porra, já é difícil presentear uma pessoa, agora imagina uma pessoa que você não conhece? Claro que você imagina, porque obviamente já caiu na armadilha social do amigo secreto, e vamos combinar que isso só ferra a nossa vida… Chegado o dia da festa, todos fomos liberados mais cedo para nos aprontarmos, e fui pra casa para poder me arrumar também. Escolhi um vestido verde esmeralda, na altura das coxas, que ressaltava minhas curvas, mas que era comportado, e saltos vinho. Meus cabelos caíam em uma cascata de ondas ruivas caindo nos ombros. Eu estava bonita, porém não muito confiante, até porque apesar de serem queridos, não conhecia muito bem meus colegas – inclusive nada sabia do meu amigo secreto. A casa do Lucas, nosso diretor sênior, era bem bonita e simples, e ele me recebeu com um carinho sem tamanho…. Já fui relaxando a partir da segunda taça de vinho e estava conversando sobre este ano maluco de 2016, que graças a Deus passou rápido, chegou quando um homem lindo, de longe o mais bonito ali naquela casa. Vestindo uma calça jeans preta, sapatos sociais, camisa azul marinho combinando com aquele par de olhos que mais pareciam um mar, e os cabelos castanhos bagunçados, ele parou na nossa rodinha e nos cumprimentou. As meninas em uníssono falaram “Oiiiii, Bento!”, que até me assustou quando descobri que aquele cara delicioso era meu amigo secreto! Trocamos olhares a festa toda, mas pouquíssimo conversamos porque tinha muita gente, e ele parecia muito popular na empresa.

Na hora das trocas, chegou minha vez de anunciar meu amigo secreto e quando chamei o Bento para receber meu presente ele agradeceu, me abraçou e falou no pé do meu ouvido:

– Estava torcendo para que você fosse minha amiga secreta, este foi meu melhor presente nesta noite – Eu senti sua mão quente na minha cintura, seu hálito esquentar meu pescoço e tudo que queria era arrastar ele daquela sala e foder tão gostoso que todos iriam ouvir meus gemidos dentro do lavabo ao lado. Para minha surpresa, eu também era a amiga secreta dele! Ganhei uma garrafa de vinho, e prometi que tomaríamos juntos qualquer dia destes…

A festa foi invadindo a noite e todos foram ficando cada vez mais bêbados, e como sempre alguém dá um vexame, Vera, a responsável do RH passou mal e vomitou no sofá. Enquanto todos corriam para ajudá-la e limpar aquela nojeira, Bento segurou no meu braço e propôs que fossemos dar uma volta pelo jardim. Lá fora estava quente, e nossas conversas iam me deixando suada e molhada. Mesmo que ele falasse qualquer amenidade, eu entendia como “Quero lamber você todinha Camila, quero que seja minha putinha esta noite”. Meu cérebro já estava me traindo. Sentamos nas cadeiras ao lado da piscina e nos beijamos timidamente até que ele começou a passar a mão na minha coxa e eu sussurrei no seu ouvido que estava sem calcinha. Ele duvidou e nós apostamos que se eu realmente estivesse sem, ele iria para minha casa, se eu estivesse mentindo, iria para a casa dele. Quando ele passou os dedos bem devagar e sentiu minha boceta quente e melada para ele, percebeu que havia perdido a nossa aposta e ele iria para minha casa.

Fomos cada um no seu carro, e, quando estávamos lado a lado no farol, abaixei meu vidro e subi meu vestido, e fiquei me tocando para ele ver. Hora colocava os dedos em mim, hora colocava na boca e sentia meu gosto apenas para provocá-lo, e fiquei brincando assim até o farol abrir e eu acelerar, guiando-o até minha casa. Mal abri a porta e ele já veio me agarrando e dizendo que havia ficado louco com aquela cena de minutos atrás e que estava ganhando muitos presentes naquela noite. Nos jogamos no sofá e ele abriu minhas pernas e realmente me fodeu com a língua, me chupando, mordiscando, lambendo sem parar. Enfiando seus dedos, dois na minha boceta encharcada e um no cuzinho, me fez gozar duas vezes na sua boca, e quando mais eu escorria mais ele se deliciava com meu orgasmo! Com as pernas ainda bambas me ajoelhei em sua frente, e enquanto lambia aquele pau grosso e rosado olhava aqueles olhos azuis que me encaravam como uma fera encara sua presa. Cada vez que eu engolia seu pau todo, ele respirava mais fundo e gemia baixinho, me fazendo querer mais e mais, e eu engasgava e salivava…

Acho que fiz o melhor boquete da minha vida, porque quando ele gozou em pequenos jatos na minha boca e nos meus seios. Ele se ajoelhou na minha frente e me beijou tão forte, puxando meus cabelos que fiquei sem ar até! Depois veio descendo pelo meu pescoço e lambendo meus mamilos melados da sua porra, sugando meus seios com vontade, me mordendo fraquinho e depois mais forte, até me fazer gritar. Depois de passar a ponta dos dedos neles como quem diz “calma, passou”, me deitou no chão e deu um tapa na minha boceta pra abrir minhas pernas e lambeu mais uma vez, me arrancando um gemido alto, e assim que colocou seu pau de uma vez dentro de mim. Prendi o ar e a cada estocada dentro de mim sentia que ia avançando pra mais um orgasmo, e quando mais eu me abria, mais ele metia e me apertava contra ele. Estávamos em uma dança íntima perfeita, e eu gozei mais uma vez, só desta vez foi um squirting, com penetração! Isso nunca na vida tinha me acontecido, e realmente, esta estava sendo uma noite de muitos presentes.

Logo que me recompus, Bento me colocou de quatro e começou a me lamber de novo, passava sua língua safada e curiosa em todos os lugares do meu corpo que estava explodindo de tanto tesão, e começou a dedar meu cu, com um depois dois, e três dedos. Quando eu estava delirando já ele foi escorregando seu pau enorme para dentro do meu rabo, que por incrível que pareça, o recebeu sem nenhuma cerimônia! Ele metia lentamente, fazendo carinho em mim, dizendo o quanto o presentinho de amigo secreto dele estava gostoso, e eu ouvindo aquilo enlouquecia e arqueava mais as costas e forçava minha bunda contra o seu pau, ele entendeu o recado e falou:

– Quer que eu foda com força esse rabo de puta deliciosa, é ? – Eu somente sorri assentindo, e então ele puxou meu cabelo como se fossem rédeas e começou a colocar forte e rápido, e eu gemia alto, e meus sons só eram abafados pelos tapas que recebia. Gozamos juntos, abrimos o vinho que ganhei e conversamos muito até cairmos no sono no meu tapete.

Faz dois dias que o Bento está andando apenas de cueca pela minha casa, e que eu ando mudando de opinião sobre festas de fim de ano, mas ainda continuo detestando pavês e uvas passas! Quanto ao amigo secreto? Não preciso participar mais, pois acho que já encontrei uma pessoa para presentar ano que vem novamente….

Gostou? Você pode mandar sua ideia e a Sofia transformá-lo em conto! Envie um e-mail para sofia@quenemmocinha.com com o assunto “Ideia de conto!”. Quem sabe você não é a escolhida? 

Deixe uma resposta